Breve História de uma numerária auxiliar

From Opus Dei info
Jump to navigationJump to search

Conheci a obra aos 18 anos, era de familia grande (12 filhos), catolica, muito pobre, e muito bem educados, meus pais sempre nos ensinaram a respeitar as pessoas, a colocar Deus em primeiro lugar, sermos generosos e… ‘bonzinhos’, e alem disso sempre nos incentivaram a estudar, mas nao me ensinaram a questionar… pelo contrario… a palavra 'aceitar' era a mais vivida, pois numa familia de 12 filhos… tinhamos de aceitar a Vontade de Deus!

Bem, quando conheci a obra trabalhava de auxiliar de escritorio e estudava ingles na Uniao Cultural, meu dinheiro era so pra pagar o curso de ingles. Uma amiga convidou-me para fazer um convivio… fui e amei. Depois daquele convivio passei a frequentar o Leme, centro das adscritas, ao sabados. Frequentei por uns 3 anos, amava tudo e a obra ja era parte muito importante na minha vida.

1990 – Comecei a estudar Letras na Unip, trabalhava numa empresa muito boa, adorava trabalhar la… parei de fazer ingles pra pagar a faculdade. Um belo dia fui convidada a frequentar o Taboao, centro em taboao da Serra, e eu morava na cachoerinha… 2hs e meia de ida e o mesmo tempo para voltar. Eu generosamente aceitei, pois segundo foi explicado era um centro com meninas como eu… do mesmo nivel social, ou seja, de familias pobres, e eu iria me sentir mais a vontade. Comigo nao tinha problema nenhum, pois… era por Deus, tanto fazia centro de rico ou de pobre… e nao questionava, era boazinha… e logo me acostumei. Alem disso eu tinha certeza que tinha vocacao pra obra, mas nao sabia para que, e por isso nao diria nao. Deus first!

1991 – Fui convidada a morar na administracao do Jacamar. Eu so pensava em Deus e em corresponder a chamada divina. Nada mais era importante. O que mais poderia ser tao importante quanto fazer a vontade de Deus e ser santa?????? Informei a familia que apesar de nao gostar da ideia, nao podia dizer nada… pois estava escolhendo a vontade de Deus. Fui morar em maio de 1991, apitei em Julho e meu pai faleceu em agosto. Fiz centro de estudos na aroeira por dois anos, depois 2 anos no Sumare, um na administracao do centro de Pinheiros e voltei ao Sumare… para desapitar… Durante os sete anos que morei no opus dei, amei, respeitei e vivi o que la me ensinaram. Aprendi a lavar, passar, cozinhar e viver muitas das virtudes adquiridas, fazia tudo por amor a Deus, a vocacao e as pessoas que convivi. Amava a vida em familia, musicas e servir a mesa… principalmente na seção masculina, pois podia ve-los… discretamente. Servi a comissao e centro de estudos do sumare, me sentia muito honrada e amava cada rosto… cada alma. Enchia me de admiracao por aqueles rapazes e mocas… ricos… que deixavam tudo por amor a Deus!

Eu… pobre… o que tinha entregado? Nada! Pois quando somos pobres… nao temos o que entregar… temos? Na realidade a sensacao eh a de ganharmos… casa bonita, bons tratos, boa alimentacao, uma carreira professional e alem disso o ceu, a ‘chamada divina’!!! Voces acham que eh pouco?… Claro que tem pessoas pobres inteligentes e que conseguem ver como sao manipulados, mas eu nao via. Acreditei em ‘each single word’ que foi pregada pela obra… e por isso foi tao dificil deixar… e recomecar minha vida…

1998 – Sabia que algo nao cheirava bem… nao me falavam da ‘fidelidade’… e eu por medo… nao perguntava… continuava lutando… mas nao foi o suficiente… ao contrario da maioria dos que estao lendo este meu depoimento… eu queria ficar! Eu nao via o que vejo hoje, eu nao via o que voces viam… No dia 07 de dezembro a diretora me chamou no escritorio… depois da minha oracao… e me comunicou que eu nao tinha vocacao de auxiliar. Chorei muito, … mas… era a vontade de Deus… Conversei com Pe. Joao S… nao entendia… como Deus tinha me chamado… e agora… nao me queria mais… se eu lutava... como tantos…?

Conversei com o Pe. Vicente, foi super carinhoso e me explicou que todos me amavam muito, e que era dificil pra eles tambem, mas seria melhor pra mim… eu estava carregando uma pedra maior que eu e muito pesada… disse me que eu precisava de um amor humano, pois era muito carente, disse tambem que podemos amar a Deus onde estamos, nao so na obra…

Eu entendia… mas… meus sentimentos… meu psicologico… nao! Eu nao queria estar la se nao era a minha vocacao… mas eu amava a vocacao… pois era divina! Sofri muito, Deus nao me queria mais… me sentia regeitada, humilhada e completamente perdida! Fiquei uns cinco dias no centro, pois disseram que tinha quanto tempo fosse preciso. Naqueles dias… na oracao…terco… missa… olhava pro Sacrario… e chorava… chorava… ate acabar a norma. Depois parava de chorar e ia fazer o meu trabalho. Depois… aceitei… vontade de Deus… voltei pra minha familia, gracas a Deus tinha uma familia que me amava. Foi muito doloroso… mesmo tendo todo apoio e carinho das pessoas da Obra, mesmo nao tendo nenhuma culpa ou me sentindo culpada de nada, fui sempre sincera na minha luta. Tive muitas dificuldades pra recomecar, pois ao 29 anos e sem profissao… o que fazer? Trabalho do lar… so mesmo por Deus e pela vocacao… eu queria mais.

TENTATIVAS DE EMPREGO: Unica saida… hoteis…, mas nao tinha carteira assinada… quer dizer… O primeiro emprego… recem saida da obra… muito triste… deprimida… mas lutando… foi no escritorio ‘XXXX’, talvez nem lembrem de mim. No primeiro mes fui elogiada e tal, estavam contentes, mas so bastou um… como dizer… acho que fui ‘a bit rude’… e ja nao estavam contentes… fiquei so tres meses… fui dispensada. Comecei a estudar ingles na Uniao – meu irmao pagava, pois queria me ajudar no futuro…

Depois arrumei outro escritorio atraves de um primo, fiquei mais tres meses… fui desaforada… a chefe me pedia pra datilografar mais rapido… e eu respondi que precisava de tempo e pratica…

Depois dei aula particular… quer dizer acompanhamento escola … para o W., filho de um deputado que por coincidencia frequentava a Obra, mas foi uma amiga do ingles que me indicou… naquela epoca estudava portugues em casa e dava aulas pra umas amigas… pude pagar o meu ingles com essas aulas particulares. Quando eu nao tinha emprego meu irmao pagava minhas dispesas e ingles, cursos intesivos da Uniao. Ate que em 2001 tive a oportunidade de ir trabalhar na Disney de Orlando, temporada de verao, por 4 meses, foi uma grande experiencia… contarei quando escrever o minha autobiografia… (ha,hahaa)

2002 – Depois da experiencia na Disney no ano anterior, decidi morar com minha irma em Londres… meu irmao bancou tudo! Conto… no livro… (hahaha)

2004 – Casei me.

2005 – Estou muito bem e feliz!

Tenho que parar… mas contarei os detalhes se no futuro escrever um livro… Contudo e muito importante que saibam que apesar de estar feliz AGORA, foram 7 anos de luta, de tentar esquecer e recomecar a vida. Gracas a Deus tinha meu irmao pra segurar as pontas financeiras… mas nao as psicologicas… e isso eh o mais dificil… claro que minha familia me ajudou muito… sempre…

A obra... so me ajudou enquanto eu corria atras deles… eu ia no centro… arrasada, humilhada… mas… tinha que lutar por Deus… e se Deus estava la… eu nao me conformava em perde-Lo…

Escrevo algum outro dia… estou com sono… boa noite...

E.W